Fale com seu vereador

Biografia

José Police Neto, 45 anos, está em seu quarto mandato como vereador na cidade de São Paulo. Foi presidente da Câmara em 2011, reeleito em 2012. Pesquisador Social, cursou Ciências Sociais na Universidade Federal de São Carlos. Iniciou sua carreira no ambiente público aos 21 anos, trabalhando na Assembleia Legislativa de São Paulo como assessor parlamentar e chefe de gabinete. Coordenou a campanha de Mário Covas e de Geraldo Alckmin ao governo do Estado de São Paulo. Foi presidente do Diretório Municipal do PSDB na capital paulista de 2000 a 2002, partido ao qual esteve filiado por mais de 20 anos.

Assumiu o cargo de vereador pela primeira vez em 2005. Licenciou-se da função em 2006, quando foi Secretário Municipal de Participação e Parceria. Retornou à Câmara em 2007 e foi Líder do Governo Gilberto Kassab entre 2007 e 2010, atuando pela aprovação de projetos fundamentais para a cidade de São Paulo.

Em 2008, foi apontado como o melhor vereador da Câmara Municipal de São Paulo pela ONG Voto Consciente e pela Revista Veja São Paulo. Foi reeleito no mesmo ano com 54.726 votos. Ao longo de 2009 e no primeiro semestre de 2010, foi relator da revisão do Plano Diretor Estratégico. Filiou-se ao PSD em 2011 e, no ano seguinte, foi escolhido novamente o melhor vereador da cidade pelo Voto Consciente. Não utiliza o carro oficial da Câmara. Ciclista, usa bicicleta, transporte público, carona ou serviço de transporte individual de passageiros para se locomover entre seus compromissos de trabalho.

Leis

Atua intensamente nos assuntos que dizem respeito à qualidade urbanística na cidade de São Paulo, principalmente nas áreas de mobilidade, habitação, revitalização dos espaços públicos e planejamento urbano. É autor do Estatuto do Pedestre (Lei nº 16.673/2017), do Programa Bike SP (Lei nº 16.547/2016) e do Projeto de Lei nº 421/2015, que serviu de base para a regulamentação dos aplicativos de transporte na capital paulista, como Uber, Cabify, 99, Easy Taxi e Lady Driver.

Na área de habitação, é autor de quatro leis, entre elas a da Função Social da Propriedade Urbana (Lei nº 15.234/2010). Trata-se de um importante instrumento legal para combater a especulação imobiliária de imóveis ociosos ou subutilizados que estão em zoneamento voltado para habitação social, ou seja, imóveis situados em ZEIS 2 e 3 (Zona Especial de Interesse Social) e na Operação Urbana Centro. Muitos desses imóveis ficam fechados ou subutilizados à espera de valorização ou de mudança de zoneamento, impedindo seu uso como moradia.

Criou a Lei de Regularização Fundiária (Lei nº 15.720/2013), que possibilita a utilização de financiamento do programa Minha Casa, Minha Vida para a urbanização de loteamentos irregulares na cidade de São Paulo, assim como facilita a legalização desses loteamentos e a entrega do título de propriedade aos moradores. É autor ainda da Lei do Consórcio Imobiliário de Interesse Social (Lei nº 16.377/2016) e do Retrofit Social (Lei nº 16.056/2014).

Police Neto também é responsável pela emenda que estabeleceu os Conselhos Participativos na administração municipal de São Paulo. Incluída na Reforma Administrativa da Prefeitura (Lei nº 15.764/2013), a emenda institui conselhos participativos para cada um dos distritos da capital.

Entre outras leis, o vereador é autor da Política Municipal de Inclusão Digital na cidade (Lei nº 14.668/2008).

Atento à qualidade dos serviços públicos, formulou a Lei nº 14.173/2006, que estabelece os Indicadores de Desempenho dos Serviços Públicos paulistanos.

É autor ainda da Lei nº 14.029/2005, que criou o “Procon” do serviço público e equipara o usuário ao consumidor, conferindo os mesmos direitos a ambos, e da Lei dos Indicadores de Desempenho do Serviço Público (Lei nº 14.173/2006).

Presidência

Como presidente da Câmara, Police Neto adotou política da transparência total: abriu cargos, contratos e salários para consulta da população. No posto de líder do governo Kassab na casa, o vereador garantiu a votação de projetos importantes para os cidadãos paulistanos, como a lei que reestruturou cargos e salários de funcionários das Secretarias de Educação e Saúde; a que criou a Corregedoria Geral do Município e o Cidade Limpa, entre outros.