Vereador quer incentivar reciclagem de lixo e reúso do entulho da construção civil 

DA REDAÇÃO

A reciclagem e o descarte ambientalmente correto do lixo talvez já faça parte das rodas de discussão mais importantes de qualquer grande cidade quando o assunto é planejamento urbano ou crescimento sustentável.

Apesar de ser um conceito bastante difundido hoje, em comparação há dez ou 15 anos, a distância entre a teoria e a prática ainda é gritante, especialmente quando se fala nos resíduos de construção e demolição, que apesar do alto potencial de reciclagem ainda são tratados como entulhos.

A preocupação em torno do tema motivou a criação de um Projeto de Lei, em tramitação na Câmara, para incentivar iniciativas populares de aproveitamento e tratamento dos resíduos sólidos na capital paulista.

O PL 170/2017, assinado pelo vereador Ota (PSB), dispõe sobre o Programa Municipal de Fomento a Empreendimentos Ecoambientais de Economia Popular Solidária.

A ideia é dar apoio a estratégias de desenvolvimento sustentável e investimentos em negócios ou grupos de pessoas (incluindo associações e cooperativas sociais) que promovam a produção ou a comercialização de materiais ou produtos de reúso.

A proposta prevê uma participação integrada das prefeituras regionais com diversas secretarias municipais (Trabalho e Empreendedorismo, Verde e Meio Ambiente, Inovação e Tecnologia e SP Negócios). As pastas ficarão encarregadas não só da implementação do programa, mas também do controle, monitoramento e avaliação.

O vereador diz que o Projeto se assenta em três pilares da sustentabilidade: o econômico, pelo aumento dos investimentos; o social, com a geração de emprego para pessoas de baixa renda e, evidentemente, o ambiental.

Em um cenário mais detalhado, a proposta prevê, por exemplo, o uso de máquinas recicladoras para moer o material descartado da construção civil.

A ideia é triturar os resíduos em três categorias: pedregulho, granulado e areia. Segundo estudos do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo), os entulhos moídos podem ser utilizados como pavimento ou base na construção de calçadas e fabricação de concretos não estruturais.

Ainda de acordo com o PL, essas medidas atendem às recomendações do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente), além de diminuir a extração de matéria-prima na natureza.

O texto também autoriza o Executivo a firmar parcerias com o Estado, União e entidades públicas ou privadas, tanto nacionais como estrangeiras.

 

Veja também