Comissão de Administração Pública promove Audiência sobre a situação dos bancos públicos

André Bueno/CMSP

Bancários e militantes lotaram o auditório Prestes Maia da Câmara

NAYARA COSTA
DA TV CÂMARA

Bancários e militantes lotaram a Audiência Pública da Comissão de Administração Pública, realizada na Câmara Municipal nesta quarta-feira (18/10), contra o que chamaram de movimento para privatizar os bancos públicos nacionais.

Segundo lideranças sindicais que participaram do debate, como Ivone Maria da Silva, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, somente o Banco do Brasil fechou mais de 290 agências no Estado de São Paulo, cortes que geram desemprego e transtornos para os clientes dos bancos.

“Imagine São Paulo, que tem os bancos concentrados no centro, e uma população que mora a quilômetros de distância do centro”, disse Ivone.

O secretário de Assuntos Jurídicos Individuais do Sindicato dos Bancários, João Luiz Fukunaga, lembrou que os bancos públicos têm papel fundamental no crescimento socioeconômico do País.

“O Banco do Brasil e a Caixa Econômica foram fundamentais para desenvolver o comércio. Na habitação gerou emprego, levou casas para as pessoas carentes. Então gerou uma série de benefícios para a cidade que, sem eles, os bancos privados não iriam atuar.”

Sidnei Pita, da União Nacional por Moradia Popular, concordou. “Sem isso nós jamais teremos como acessar recursos do Ministério das Cidades, porque a Caixa é fomentadora de recursos e é ela que fomenta recursos para o ‘Minha Casa, Minha Vida’ por meio de contas da sociedade e das associações.”

Para o vereador Alfredinho (PT), “a população tem que entender a importância de ter um banco público, porque não é só o banco público para pessoa ir lá sacar dinheiro e fazer uma aplicação, o banco público é fundamental porque ele participa dos programas sociais.”

Juliana Cardoso (PT) disse que “tudo que é bem público precisa ser cuidado com muito carinho, porque é o que faz a economia girar”.

Veja também