Câmara recebe Seminário Federal sobre unificação das polícias

Luiz França/CMSP

Deputados e vereadores debatem a unificação das polícias Civil e Militar

DA REDAÇÃO

A Câmara Municipal recebeu na nesta sexta-feira (19/5) o Seminário “Unificação das Polícias Militar e Civil”, realizado pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados que discute a viabilidade e desdobramentos da união das polícias em diversas cidades do país.

“É fundamental a Câmara Municipal de São Paulo, maior Câmara do país, receber uma discussão importante como esta. Sabemos que é um tema difícil mas é muito importante a discussão para que seja viável a unificação”, destacou o vereador Rodrigo Goulart (PSD), proponente do encontro na Câmara.

A Comissão tem o objetivo de estudar modelos que unifiquem a atuação dos cerca de 420 mil PMs (Policiais Militares) e 117 mil Policiais Civis que atuam nos estados brasileiros.

De acordo com o presidente do colegiado, deputado federal Delegado Edson Moreira (PR-MG), o relatório deverá vir acompanhado de proposta de emenda à Constituição (PEC) e Projeto de Lei (PL) que viabilizem a unificação das polícias.

Moreira acredita que a participação popular é um dos caminhos para melhorar a segurança pública no Brasil. “Isso é o que queremos saber da população. Viajamos o país inteiro para discutir e ouvir sugestões. Isso é importante para que cheguemos a um bom termo para construir uma polícia que atenda a população”, disse.

Segundo o relator da Comissão, deputado federal Vinicius Carvalho (PRB-SP), os encontros nacionais e as experiências internacionais de unificação das guardas apontam que um dos grandes princípios de mudanças para a segurança é a valorização dos profissionais.

“Porque não tratamos a questão da unificação num termo bem amplo da palavra? Pensando em unificar temos que pensar em valorizar, motivar e recompensar. Fazer com que esses profissionais se sintam abraçados pelo Estado Democrático de Direito”, disse o relator.

O deputado federal Antônio Goulart (PSD-SP) acredita na integração das polícias Civil e Militar. “Nós que vivemos na periferia de São Paulo sabemos o grande problema que temos com a segurança. Se não houver unificação de fardas, que pelo menos se unam e se falem, porque infelizmente as polícias não se comunicam”, afirmou.

A Comissão Especial destinada a estudar e apresentar propostas de unificação das polícias civis e militares – CEUNIFI deverá realizar seminário, debates e visitas em todo país e no exterior para que, até o fim desta legislatura, apresente seu relatório final.

Veja também